O Que Nunca (2011)

O Que Nunca Foi Dito Antes Por Nós Dois
Primeiro álbum de carreira de Georgeana Bonow
Lançamento independente 2011
Produzido por Rafael Garrafa e Pepê Canongia



Myspace music player

 

Clique aqui para comprar o disco em formato digital!

 

Ou nas lojas abaixo:

Terra

UOL Megastore

ONErpm

iTunes

GrooveShark

iMúsica

LETRAS

Pra Onde Vão as Flores
(Gabriel Franco e Aruan Lotar)

Deixa o sol falar por mim
Dar a cor do dia
De um triste fim
De um triste fim

Caem lágrimas do céu
Vejo a lua então
Chorar de rir
Rir de mim por quê?
Qual é a razão?

Quantas vezes vou lhe perguntar
Pra onde vão
As flores que eu te dei

E os sinos já não tocam sem parar
E as mãos se dão pro frio consolar
E o tempo não se perde mais

O que me restou foram palavras
Que o vento não leva jamais

Aonde For
(Pepê Canongia, Bipe Balbino e Georgeana Bonow)

Do meu canto eu vejo
Esse olhar de menina
Que me aquece sem encostar

Me acompanha em noites
De frio e sereno
Que vem me molhar
Numa leve chuva
Que cai devagar

Deixa as penas
E as nuvens
Pronta pra pousar
Aonde For

Beija as pernas
E a nuca
E deixa a boca ir
Aonde For

Vem me encher de beijos
Até o fim da noite
E me esquenta pra eu acordar

Eu estalo os dedos
Depois abro meus olhos
Bem devagar
Na ingênua esperança de você voltar

Deixa as penas
E as nuvens
Pronta pra pousar
Aonde For

Beija as pernas
E a nuca
E deixa a boca ir
Aonde For

Pinga
(Pepê Canongia e Bipe Balbino)

Se o primeiro gole vai pro santo
O resto vai pro Diabo
Muita Malhação não ajuda
O meu corpo encarnado
Vou correr pro bar do Gordo
Eles lá ainda vendem fiado
Não sei se é minha salvação
Ou se é minha perdição

Pinga que o Diabo gosta
Pinga que faz bem pra mim
Mas se o Santo desaprova
A Pinga vai descer ruim

Depois eu fui pro bar ao lado
Fui pagar minha oração
Com a Pinga de um lado
E o terço em outra mão
Mas algo deu errado
A minha reza não deu certo
Ou sou eu que sou otário
Ou o Diabo é que é esperto

Pinga que o Diabo gosta
Pinga que faz bem pra mim
Mas se o Santo desaprova
A Pinga vai descer ruim

Vou pingar no céu de um alambique
Vou jorrar da pele de um repique
Vou secar antes que se explique
Vou-me embora antes que complique

Quero pingar no seu corpo moreno
Quero pingar até morto, sereno
Quero Pinga na tua boca seca
Até que o meu veneno te entorpeça

Pinga que o Diabo gosta
Pinga que faz bem pra mim
Mas se o Santo desaprova
A Pinga vai descer ruim

Samba do Vem
(Gabriel Franco e Aruan Lotar)

Vem
Você me faz tão bem
Vem como quem
Perdeu o primeiro trem
Pra nunca mais
Ter de olhar pra trás
Se deixar levar
Como quem já foi
Então vem

Vem
Que esse samba é por nós dois
Esse samba vai dizer
Que uma estrela guiará
Nossos passos ao luar

Vem
Pois quem sabe o que quer
Abre a roda e logo vem

Vem
Diante de um amor
Com a luz que o sol te deu
Vai desabrochar a flor
Vai ou não vai
Desafia a dor
Pra ser feliz
Nos braços de um trovador

Vem
Que esse samba é por nós dois
Esse samba vai dizer
Que uma estrela guiará
Nossos passos ao luar

Vem
Pois quem sabe o que quer
Abre a roda e logo vem

Vem
Que já vai amanhecer
Vem comigo, vem
Meu bem

Do Que Era Pra Ser
(Mauro Rebello)

Ah
Quero tanto ver meu amor
Que nunca mais
Me ligou
Acho que me esqueceu

E hoje em dia sei que estou melhor
Mas não me esqueço do que passei
E hoje sim eu posso ver
Confessar-lhe lágrimas a mais
Do que era pra ser

Ah
Se eu pudesse voltar no meu não
Sabe lá
Se ele então
Ainda seria meu

Confundi tantas coisas iguais
Que confesso que me atrapalhei
E hoje sim posso entender
Que se o amor morreu então foi até mais
Do que era pra ser

Dora
(Pepê Canongia e Georgeana Bonow)

Dora
Deita e rola
Faz de conta que você tá na escola

Joga bola
Pique-cola
Toda vez que eu te beijo você cora

Faz de conta que nós dois
Estamos juntos

Dora
Não me enrola
Deixa tudo como está e vamo embora

Lá pra fora
Não demora
Pega logo o que é teu e vamos viajar

Pra longe
Pra onde o sol nos levar

Oh Dora
Tô de fora
Toda vez que eu pergunto você chora

Oh Dora
Calça as Botas
Vem comigo tomar uma Coca-cola

Faz de conta que você
Me adora

Oh Dora

Meu Jardim
(Pepê Canongia e Georgeana Bonow)

Quem te vê passar assim por mim
Nem desconfia
De tudo que passei

Quem segue seus olhos por aí
Nem quer dizer
Nem quer ouvir

Tudo que eu tenho pra falar
O quanto que eu tentei te conquistar
Mas mesmo assim
Você fugiu
Do meu Jardim
E foi embora pra sempre

A flor espantada se foi
Partiu sem deixar sementes
Pegou carona com o beija-flor

Então
Me diz
O que você faria se
Estivesse em meu lugar


Uma Típica Carioca
(Pepê Canongia e Georgeana Bonow)

Eu
Sou uma típica Carioca
Não gosto muito de samba
Mas adoro a batucada

Eu
Quase nunca vou à praia
Mas depois de uma manhã chuvosa
Só quero uma tarde ensolarada

Não tomo cerveja gelada
Mas adoro uma batida
De maracujá

Nunca desfilei no carnaval
Mas não troco por nada uma boa partida
De futebol

Só os cariocas que saem à noite de tênis e camiseta
É só esse povo que pede a la carte na beira do mar
Eu posso não ter a pele morena queimada de sol
Mas não troco por nada uma boa partida
De futebol

Você Me Beija
(Pepê Canongia e Georgeana Bonow)

Vai
Dizer
Que acredita que eu acredito em ti

Faz-me rir
Se acha que eu me abalo por não ser mais seu
É claro que eu não sou mais eu

Vai
Tentar
Fazer com eu mova as minhas peças do lugar
Sai dessa
Meu jogo não tem pressa e eu sei cuidar de mim
Eu sei, eu sou assim

Vai
Pensar
Que eu fui tolo por achar que ia te dobrar
Acorda
Se a corda arrebentou não fui eu que forcei a barra
E agora
Me diz
O que nunca foi dito antes por nós dois
Então depois
Você me beija

Me diz
O que nunca foi dito antes por nós dois
Então depois
Você me beija

Será que
Você tá com alguém
Será que
Eu já não sou ninguém
Será que
Você enxerga além de mim

Então me diz
O que nunca foi dito antes
Por nós dois
E depois
Você me beija

Georgiana
(Vinicius de Moraes)

The day when she was born
Was a lovely seventeen
And since early morning
Mother was a suffering
Doctor kept exhorting
Telling her not to be mean
To her mother
To her father
Georgiana don’t be mean
Georgiana don’t be mean

It was a summer bright
And kind folks stood aroud
Waiting for Georgiana
Who was coming nature bound
When her cry was heard
Everybody was astounded
Georgiana
Georgiana
What a wonderful five-pounds
Little babe in sight and sounds

Georgiana’s birth was a little too morose
But for sure she came
Free from wound and ecchymosis
Father needs a drink
Mother needed to repose
Georgiana
Georgiana
Pretty eyes and ears and nose
Like a petal of a Rose

Georgiana
Georgiana
Pretty eyes and ears and nose
Like a petal of a Rose


Sinto Muito
(Gabriel Franco e Aruan Lotar)

Sinto Muito não estar por perto
Para encarar o incerto
E no silêncio me abrigar

Vou tentar esquentar seu inverno
Ser a flor do seu deserto
Ao invés de me acomodar

Não fiz por mal
Não sou assim

Sou difícil de entender espero
Que desvende os meus mistérios
Prometo facilitar

Aprendi a dar valor agora
Que manchei a nossa história
E o destino irá selar

Você me faz
Ser tão feliz

Vejo
Que você
Nem pensa em
Me perdoar

Desafio quem
Me desfere hostil olhar
A amar como eu te amei
Sem jamais errar

Foi-se o Tempo
(Gabriel Franco e Aruan Lotar)

Foi-se o tempo em que o amor não apelava pra razão
Desafiava a contra-mão por si só
Foi-se o tempo em que o amor paparicava nas manhãs
Provava o doce das maçãs do amor
Foi-se o tempo em que o amor dizia tudo num olhar
Se envergonhava no com quem será
Foi-se o tempo em que o amor cabia em bolhas de sabão
E usava a lua como inspiração

E o Amor cuspido em mil bordões
Deixou de ser tão cego, surdo e mudo
Inunda a paz de solidão
Cabisbaixo e moribundo
Ele observa agora o mundo
Da vitrine de um vazio coração

Foi-se o tempo em que o amor se declarava em multidões
Comprava brigas com dragões cruéis
Foi-se o tempo em que o amor se confundia com paixão
E desfilava marcas de batom
Foi-se o tempo em que o amor brindava ricos e ladrões
Calava balas de canhões do céu
Foi-se o tempo em que o amor nascia sobre um chão de giz
Beijava sapos num final feliz

E o Amor cuspido em mil bordões
Deixou de ser tão cego, surdo e mudo
Inunda a paz de solidão
Cabisbaixo e moribundo
Ele observa agora o mundo
Da vitrine de um vazio coração

Do que vale o céu sem ter o chão

E o Amor cuspido em mil bordões
Deixou de ser tão cego, surdo e mudo
Inunda a paz de solidão
Cabisbaixo e moribundo
Ele observa agora o mundo
Da vitrine de um vazio coração

Foi-se o tempo do amor
E eu já não sei se vai voltar
Mas eu guardo um pouco pra lhe conquistar

Comments are closed.